Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

sexta-feira, 29 de março de 2013

spinLeaks



Este email teve que ser cortado para não ficar truncado, estava muito longo, continuidade do sinLeaks




08:54
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
E assim encerramos este mês de saturno
E amanhã estaremos em urano
E falando nisso
Ontem Idéia esteve dando uma olhada em seus alfarrábios
E viu que já este em saturno
Urano
E foi a marte e voltou
E retornou
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
E andou=carregou todos os planetas  nas costas
E pensou: nossa, como escreveu
Será que as pessoas não se stressam com esta ladainha sem fim?
E ladainha se escreve ladainha=litania
E percebeu que o ritimo=musicalidade de Idéia é o de uma ladainha
Quando se viu num texto de Arthur Leandro
E ele escreveu, talvez contaminado=influenciado por Idéia
A seguir, a ladainha de Arthur Leandro
Ele é do Amapá
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
E no Amapá tem ladainha
Na cidade=estado de Curiaú – ( não sabe o nome do rio que banha Curiaú )
É a festa de São Joaquim
9 a 19/08
(extraído do site, se não se engana, www.brasilchanel.com.brbrazilchannel@brazilchanell.com.br
e tente perceber, a seguir, a musicalidade=ritmo do autor deste texto
Arthur Leandro, etetuba@uol.com.br
E não é ritmo de ladainha?
Para Idéia, é
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>

Ah, antes de entrar com o texto=ladainha=litania de Arthur Leandro
Finalmente a imagem que Idéia não consegue enviar
A que era para ter sido enviada ontem
E uma outra, interferência sobre obra de Siron Franco
Parece que foi adulterada pelo computador
Ao invés de imagem
Idéia noutou apenas um plano negro
Negro sobre negro
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
E não foi isto que Idéia fez
Idéia não destruiu a obra de Siron Franco
Foi falha técnica
Ainda vai ver o que aconteceu
É que ao verificar a imagem enviada
Não viu nada
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Apenas um plano negro=iluminado
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>



O9:08
O texto a seguir é de Leandro Arthur
Ele enviou-o atendendo meu pedido
Idéia quis se ver através do outro
E disse:
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Por favor, façam o que eu faço
E me enviem
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
E, pensa assim, não sabe ao certo
O Leandro Arthur atendeu ao pedido de Idéia
A seguir, o texto de Arthur Leandro
E como é litania, pode ser lido a partir de qualquer parte
Não o conteúdo, mas o ritimo=musicalidade
Lembra Idéia
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
E Idéia só tem a agradecer ao Arthur Leandro
E veja=compare
Não para ver se uma é melhor do que a outra
Não!!!!!!!!
Comparem a musicalidade=ritmo
Só isso e nada mais
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
E não venha com seus julgamentos de valor=competição
Grato
Idéia=José Carlos Lima
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>

09:46
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Esquceceu-se do passado=presente
Está ótimo
E leia, no versículo seguinte, o texto de Athur Leandro
O Idéia sente tratar-se de ritmo=musicalidade=ladainha=litania
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>

09:48
E como esta obra é conceitual=demonstrativa=interativa
Idéia fará interferências no texto de Arthur Leandro
De forma a reforçar=solidificar
O ritimo de ladainha=litania=repetição=loas
No versículo a seguir

10:20 
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
O Joaca me perguntou sobre a questao do monte santa vitoria, se
eu considerava que as questoes regionalistas sao as estruturais
da pintura: relaçoes de luz e cor em Cezzane, e me trouxe uma
discussao de um critico sobre a pintura de Nassar. E eu respondi 
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
que nao olho para aquela discussao como uma discussao
puramente artistica - o que me incomoda é o discurso. Falei pra
ele do meu questionamento ao Andreas Uhl sobre a real
necessidade de posse de territorio e criaçao de simbolos
nacionais em seu trabalho de criaçao do pais da diluiçao/
Fadeland, e se isso também nao é uma forma de imposiçao. 
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
E que esse amigo, hospedado na casa de mamae, nao usou o
silencio e nem o desolée para fugir do ponto crucial, ele me disse:
europeu gosta de colonizar e eu sou europeu. E eu acredito.
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Ai nao me importava fazer analises sobre percepçao e
representaçao na pintura, porque esse é o discurso usado para
impor esses codigos como uma Declaraçao Universal dos
Codigos (e das regras) da Arte que nao valem para aceitar a
Turquia + estrangeiros na França +  Guiana +  Amapa + Marrocos
+ periferias brasileiras + Gana + + +, mas devolver o mesmo
discurso falando apenas dos aspectos regionalistas da paisagem
de Cezzane. Se eu sou regionalista ele também o é, depende do
ponto de vista, e podemos encontrar questoes universais là e cà
porque ambos usam a materia cotidiana para produzir outras
percepçoes e significaçoes. Arte? 
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Mas é preciso combater a 
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
habitualidade desse pensamento colonizador que é dito como
verdade e como desoléee apenas para nao reconhecer o que é
diferente e/ou negar-lhe solidariedade.
 <Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Tentei devolver a dominaçao colonizadora pelo ponto de vista
que nao é o do contrario, é do diferente! Essa analise universal é
excludente e me parece vinda de guardioes e representantes do
que querem que seja o discurso verdadeiro da arte, mas ignoram
qualquer possibilidade de existencia de uma sociedade pluralista
e insistem na baliza do carater universal dos seus codigos  de
representaçao, e na aceitaçao politica universalizante do cosmos
cultural particular.  Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
E a aceitaçao incodicional desse pensamento
gera situaçoes como a de Anita Malfati dizer que so conheceu
arte, que viu pintura, quando chegou na Europa, eu prefiro o
caminho inverso, quando disserem que nao temos as condiçoes
necessarias de produzir arte, que o que fazemos é arte
regionalista, eu direi que nao é arte, e nao é mesmo, é güera. Nos
nao pecisamos parecer o que nao somos - minha proposta é de
avaeté(tuba) e nao de avarana. <Interferência de Idéia: amem=ame=amemos islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Isso é igualzinho ao fundamentalismo cristao: sò Jesus salva! Sò
os codigos de representaçao legitimados podem ser arte!
 <Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Pior é perceber esse discurso reproduzido no Brasil. Esta rolando
uma discussao na comunidade virtual arte-educar sobre a
“correta” grafia da palavra arte, e vi alguem dizer que a arte de
Picasso, por que reconhecida e legitimada como universal, tem
que ser grafada com “a” maiusculo. 
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Perguntei como vamos
escrever a Arte de picaço? Ninguém me respondeu, e sei, jà me
foi dito, que o motivo é que nessa comunidade pessoas que nem
eu, que usam palavras do dia-a-dia de gente comum ou de baixo
calao, sao naturalmente excluidas - falam mas ninguem responde.
Porra, merda, caralho, buceta, cu, puta que pariu e picaço nao sao
expressoes dignas de professores, nem da arte, acho, e portanto
nao merecem resposta. Quem usa palavras dessa natureza nao
pode ser identificado como educador, portanto nao é igual a eles
e fala sozinho. <Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Otimo, é uma comunidade identificada pela somatoria de duas
palavras que quando institucionalizadas, juntas ou separadas
ganharam o mesmo significado de exclusao - sò pode ser uma
comunidade excludente, e quem faz isso apenas reproduz a
exclusao sem sequer saber o que faz, e suas respostas talvez
acrescentem muito pouco…  Sei là, mas sao a maioria dos que
ensinam arte no Brasil e o ensino mantém o pensamento
excludente, mas se vierem a dizer que eu faço arTe, que seja com
o t maiusculo, eu quero ser identificado como membro das
comunidades que fazem o que quer que seja com TESAO…
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Como acontece no dia-a-dia essa coisa que eles querem escrever
com maiuscula? Me chegam noticias de um monte de jovens
artistas fazendo o que eu ja fiz no passado, montando porta-folios
para tentar entrar no evento nacional de um banco. O desmanche
do financiamento publico da cultura no Brasil nos tirou da
submissao ao gosto do governante para nos jogar no gosto do
mercado. E qual é a lògica do mercado? É por que discordo
dessa lògica mercadologica que estou calado em relaçao à
proposta, no minimo anti-democratica, do governo Waldez mudar
a Lei Antonio Messias (de incentivo/renuncia fiscal) para acabar
com a paridade entre artistas e representantes do governo 
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
no
Conselho Estadual de Cultura do Amapa, a Lei joga o
financiamento para o mercado mas garante paridade entre
artistas e governantes na mesa de decisao… Talvez seja
realmente preciso transitar a concepçao de politica cultural para
entende-la como cultura politica…
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Caruso se apresentou no Teatro da Paz e no Teatro Amazonas,
quem viu? Quem tem acesso à cultura dita eudita? O evento do
banco é nacional, chega no Amapa? Em que circunstancias? A
populaçao da àrea metropolitana de Belém hoje é de cerca de
dois milhoes de pessoas, quantos teatros? Quantos lugares?
Quanto se paga? Tem tres museus no centro comercial e bem
perto do Ver-o-peso, os comerciarios ou os feirantes visitam suas
exposiçoes? Gastam em arte erudita o tempo em que saem do
trabalho e esperam pela proxima conduçao? 
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
De que universo
estamos falando? É o universo da exclusao! É como aqui! Onde
arte é sofisticaçao de gosto e sofisticaçao de consumo e, como a
Organizaçao Mundial do Comercio ja declarou que a educaçao é
bem de consumo, e como pipocam faculdades particulares por
que o aos governos é impossivel ou nao é importante o ensino
publico gratuito e para todos, a educaçao formal e o
conhecimento tambem sao pura sofisticaçao… Podemos trabalhar
com arte e com o conhecimento como bens sociais ou estamos
condenados a sermos arte-educadores?
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Lembro de mamae falando que Aristoteles diferenciava a filosofia
das demais disciplinas por ser o estudo de principios universais
(como o hoje dessa lembraça està muito distante posso estar
equivocado, mas foi isso que eu registrei na memoria) enquanto
as outras, por exemplo a historia, se dedicavam ao estudo dos
acontecimentos singulares... Mas a historia da arte é universal ou
estamos falando de acontecientos singulares?
 <Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Ainda insisto que um dos problemas me parece estar na
concepçao do que seja o universal. Tenho a impressao que daqui
ha uma dificuldade em enchergarem para além das fronteiras do
Império Romano do Ocidente para entenderem o problema dos
outros, e que os principios  universais de Aristoteles se estendiam
à Magna Grécia e a uma parte do Oriente Medio, e que a fronteira
do antigo Imperio  <Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
 Romano é extensiva à atual capital imperial: a
América do Norte, mas esse ainda é o unico horizonte cognitivo
percebido, e é percebido somente a partir de dentro dele como
como se fosse(m) ele(s) mesmo(s) o(s) mundo(s) abangete(s).  É
preciso reavaliar o Iluminismo?! A partir de que òtica?
Sinceramente, pouco me importa.  <Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Tudo o que foi sòlido ja é
gasoso! Vim, vejo com desconfiança, nao creio que seja
necessario vencer, e nao dou valor a nada disso!

Mas se estou aqui, e percebo a situaçao desse jeito, posso ao
menos tentar faze-los refletir sobre seu lugar nao exclusivo no
mundo, e que este exclusivo é a exclusao de outros, e sobre a
possibilidade de com-partilhar a concepçao do que é o universal.
A liberdade real começa com a pecepçao de que as escolhas
individuais estao em permanente negociaçao com forças externas
- e a lingua me é uma força externa nete momento.
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
 Mas se eu
aprendi a me ver pelos olhos dos outros, e creio que isso resulta
em implicaçoes politicas importantes, por que nao com-partilhar
essa experiencia? Vamos continuar a recriar a arte para fora de
valores absolutos, reinventar codigos diariamente como um
discurso aberto, incompreensivel na totalidade, fragmentado,
partilhado e sem muros que separem a reflexao da atividade
cotidiana, ou muros que separem o conhecimento artistico, o
universitario, e o filosofico da realidade das pessoas comuns, de
pessoas comuns como nos.
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Sim… é isso mesmo. Eu nao tenho responsabilidade total com a
tradiçao, nem compromisso com verdades absolutas, e nao
estudo a tradiçao apenas para reafirmar tudo o que ja foi dito,
escrito, pintado ou esculpido. E é por isso que eu posso dizer que
o Aristoteles da minha memoria pode estar errado, e que filosofia,
arte e conhecimento podem ser construidos a partir de hoje e com
as pessoas comuns em seus fatos singulares, cotidianos,
historicos, geograficos e, por isso mesmo, universais. Fazer isso
como a possibilidade de comunicaçao em fluxo e refluxo
cotidiano. É preciso reavaliar a tradiçao da razao
platonica-aristotelica como unico caminho para a filosofia?
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
 E a
tradiçao do Iluminismo? 
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Eu nao sei, sei que podemos servir nossa produçao às pessoas
das comunidades que a produzem juntamente conosco como
bem cultural, bem social, e também a outras comunidades,
mesmo as que querem permanecer amuralladas em suas visoes
de mundo ou concepçao de mercados, como fizemos no concerTo
de roque-roques. 
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
E isso nao é um vago regionalismo folclorico e
exotico, é intençao de uma proposta cultural com inerente
dimensao politica de transformaçao e valorizaçao da vida e do
trabalho… Brincar com a tradiçao do conhecimenTo, jogar com a
arTe, como mecanismo de inclusao é viavel... Pelo menos eu
creio que possa ser…
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
O que é que nos estamos fazendo? Um jogo de cartas? Fluxo e
refluxo? Se for estamos jogando bem e chegaram cigarros aqui -
a primeira remessa veio do Rio e esta de Belém, dorei, grato.
 <Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
Bejim
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>
ArThur
<Interferência de Idéia: amem=ame=amemos
islâmico#budista#cristão#ateu=deus=islâmico>


Grato,
Idéia=José Carlos Lima
E-mail: ideia70@yahoo.com.br

O que é isto? Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão, A História de Idéia. Idéia surge deste calendário: Júpiter ( 07/01 a 20/03), Saturno (21/03 a 01/06), Urano (02/06 a 13/08), Netuno (14/08 a 25/10) e Plutão (26/10 a 06/01). E cada mês é composto por 73 dias (74 no mês de Júpiter em ano bissexto) e, destes, 70 são dias vivos=diferente e, os demais, mortos=iguais. E Idéia=tempo=brisa=ponte=pontífice=fonte. Fonte de águas bordadas sob o mar. Objetivo de Idéia: restaurar o INRI, Instruções para a Nova Realidade de Idéia. Ritmo: esta obra deve ser lida sob o ritmo de uma ladainha. Para cessar ou para acompanhar através de outro e-mail, peça
________________________
SPIN: Sistema Poético Informativo Nato
Sinais de pontuação: =(igualdade) e #(diferença)
=Deus=Tupã#Idéia#Buda#João=Deus=Gorete#José#Joaquim#Alexadre Pereira#Arthur Leandro#Oxumaré=Deus=Iansã#Sônia#Joaquina=Deus=


__________________________________________________
Converse com seus amigos em tempo real com o Yahoo! Messenger
http://br.download.yahoo.com/messenger/

Nenhum comentário: